2008-08-17

OS ÍCONES RELIGIOSOS


Bom. Não há cidade, vila, aldeia ou simples lugarejo que seja digno desse nome, que não tenha o seu orago. Ora, dada a multiplicidade de cidades, vilas, aldeias e lugarejos, pede-se um esforço suplementar à imaginação para criar santo, santa, virgem ou mártir que não seja igual à do/da vizinha. Daí o aparecerem nomes algo fora do vulgar como o "Senhor da Paciência" ou a "Senhora do Pópulo".
Em Espanha, na Galiza, entre Sanxenxo e O Grove, existe, também, uma "senhora": a "Senhora da Lanzada". Não se sabe se apareceu a pastorinhos ou a uma qualquer Bernardete. Sabe-se, isso sim, que é virgem, como convém, e que é remédio santo para arranjar um bom marido e/ou para ter filhos. Infelizmente, o prospecto publicitário é omisso quanto a arranjar uma boa esposa (ou uma esposa boa, que não é a mesma coisa). Quanto à forma de arranjar o tal bom marido e/ou um filho (dizem-me que os ginecologistas andam todos pelo desemprego, naquela zona) basta que a requerente entre na água da praia que banha a ermida no último sábado de um mês que não tenha a letra R (tem graça, dizem que o marisco também não se deve comer nesses meses...) e, molhando-se até ao ventre, receba o impacto de nove ondas. O prospecto é, neste ponto, muito exigente e taxativo: nem uma onda a mais, nem a menos. Têm que ser nove, porque o nove é o inverso do treze (?????).
Bom: para arranjar marido não sei, porque nunca experimentei; mas para ter filhos, sei que há uma maneira mais fácil, menos molhada e bem mais saborosa. Provavelmente, as moças de A Lanzada é que a desconhecem...
A publicidade é que não tem limites... Mas eu ainda me vou enternecendo com estas manifestações de ingenuidade.
Ou será de estupidez e obscurantismo?

Um comentário:

dora disse...

Estou a chorar de rir.
És muito espirituoso!!! kkkkkkk!!!!